Fim de férias, e a segunda parte dela me diz, com letras de neon, a mesma frase que meu pai repetiu inúmeras vezes: “a gente só aprende a conhecer as pessoas convivendo com elas”. O que não quer dizer que, para o mal ou para o realmente incomodo, elas ainda não consigam nos surpreender. Mas descansar e desencanar é tudo de bom, e ainda que a ideia seja tirá-las novamente só em 2015, vejamos se em 2014 as finanças deixam outra dessas acontecer =).

as vezes esquecemos que só se vê o todo…


Tamos cá no meio do 4º mês do ano, com o 5º mês já dizendo “oi, eu sou o meio do ano” ali da soleira da porta, e mais do que nunca os dias e as circunstancias desse período me pedem para lembrar do que escrevi no primeiro post do ano. Otimismo, foco, fé no que escolhi viver e respirar fundo, pois o resto do ano vem aí, com tudo, sem dó, adicionando a surpresa de mudar-me mais uma vez de residência, permanecendo refém do sistema cada vez mais enriquecedor das locações de imóveis em Curitiba, pagando surrealidades por imóveis que não valem tudo isso. Assistir, resistir e reforçar a blindagem das pressões diretas e indiretas que atingem a todos nessa faixa etária de pleno trabalho, no meu caso com o plus de responsabilidade de chefe de casa, atual noivo e futuro marido. A vida que escolhi viver, mas pouco comparável com a de qualquer outra pessoa.

…quando também sabemos ver as partes.

Agora dá pra entender as dezenas de posts saudosistas que li de muitos blogueiros ao longo desses 8 anos de escrita online, a cultura do “ah como a minha infância / adolescência era melhor do que agora”. Mas ainda não me vejo precisando escrever sobre isso. Evoluímos diante de tudo que vivemos, e embora as naturezas das preocupações sejam sempre diferentes, cada faixa etária tem suas dores e amores, não são comparáveis. Também temos a mania de, na composição dessas lembranças [ou é uma traquinagem da cabeça?], fazer de conta que as coisas ruins não aconteciam, quando na verdade, são elas que mais nos ajudam a moldar nossa essência. O conjunto de todas essas coisas é que, ontem, hoje, e sempre que fizer sentido, fazem o resto ser só o resto =).

[♫]  ”You’re, Gone. Baby, you’re gone, but the truth remains…” Gone, N*Sync.

Siga por aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *