Se há um ano atrás disse [aqui mesmo] que a volta nova era uma afirmação de um bom momento construído ao longo do que entendo por maturidade, repito então que vive-la foi fabuloso.

Aqui, pausando um trabalho e mais um plano de negócios [também conhecido como TCC] da pós, e terminando de esvaziar a cabeça dos trabalhos [muitos] que vão sendo cumpridos ao longo destes corridos dias, uma pausa na vida pra falar de algo que nunca tive muito o costume: eu, o aniversariante do dia.

Apesar de todo o cansaço, das noites pouco dormidas, da diferença oferecida no ambiente de trabalho [que está resultando numa “promoção”], na diferença nítida entre querer apenas estudar um assunto e profissionalizar-se nele, há um sorriso.

O sorriso de quem escolheu algumas coisas para sua vida e vem cumprindo, uma a uma.

O sorriso de quem as vezes não acredita no quanto consegue ser paciente, em todos os sentidos do termo.

O sorriso de quem dorme tranqüilo, pq é sincero na vida, com a vida, e seus adendos.

O sorriso de quem dribla a ansiedade alheia, as dificuldades alheias, a capacidade alheia de me magoar, com a certeza de que por mais que eu queira algo lá na frente, só chego se der um passo de cada vez.

O sorriso de quem não sabe o que vai encontrar no caminho no qual colocou estes pés, fisicamente em inicio de envelhecimento, mas mentalmente infantis, muito infantis… mas vai caminhar, correr quando preciso, descansar quando preciso, e aprender, precisando ou não. Querendo ou não.

A “tonica” editorial deste ultimo ano aqui no blog [um dos poucos nesta imensa blogsfera que não deseja ibope e sucesso desmedido] tem sido afirmar que cheguei naquele estágio onde a gente é feliz sem mais nem por quê; aquela coisa de ter em si um estado, e não uma condição que vai e volta como dias, meses, estações, anos, paixões, desenganos.

Assim, numa fase como essa, não consigo fugir de passar isso adiante, já que a vida não é muito mais do que ensinar e aprender.

E meus dias vão passando e, na medida do possível, entrego minha dedicação as demais pessoas que me fazem bem: a família qual cuido incondicionalmente; a metade de lá de um relacionamento que começou com duas páginas em branco, perfeitamente acessíveis para escrever o que realmente for desejado.

Entrego minha dedicação a todas as demais coisas que, por serem pedaços, fazem a minha vida completa.

E assim, completo, é que começo a volta 24 dessa corrida maluca que é a vida.

Ando sumidissimo, sem visitar você que me lê e escrevendo, aqui / pra cá, menos ainda [duplicado pedido de desculpas!].

Uma fase agitada, que tem data [dois meses e um pouco] para acabar.

Outro de tantos plantios que já fiz, pro qual continuo trabalhando para que renda os melhores frutos. Beijos para quem é de bjo, abraço pra quem é de abraço, e o resto ainda é o resto :)

|| sem música, já que o silencio também faz muito muito bem =) ||

10 thoughts on “Volta dois ponto quatro.

  1. “… mas vai caminhar, correr quando preciso, descansar quando preciso, e aprender, precisando ou não. Querendo ou não.”

    No que depender de mim, a caminhada será tranquila, é só não mexer o amendoim. =) A corrida, preferencialmente sem dores no joelho, será para ser reconhecido como merecemos (apesar de não precisarmos). E o aprendizado sempre está presente, como já dito, querendo ou não.

    A metade de cá sempre segurará sua mão, que começou na volta 23, está na volta 24, e continuará quantas voltas o destino nos permitir.

    <3

  2. Nao precisa me visitar. Apesar de fazer falta sei que seus planos de batalha diária, podem ser insanos.

    Parabéns! 24 anos…há 23 anos atrás, eu fazia 24 e tinha uma filha e já andava pelo Nortde do Amapá..:Ai, quanta coisa aconteceu, em 23 anos de vida.

    Bjs e dias felizes

  3. Também não ando tão presente deste mundinho online como gostaria, mas enfim, estranhei quando escreveu: “fisicamente em inicio de envelhecimento” – acho que não sei sua idade, mas este “envelhecimento”, não poderia ser substituído por “amadureciemento”?
    Tony, parabéns pelas conquistas diárias! Clareza de pensamento para novas conquistas e que a sua felicidade venha em gotas homeopáticas – já que a felicidades quando abundante nunca é reconhecida em seu momento! :D Beijus,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *