As circunstâncias da vida nos levam a um ritmo insano e quando menos damos por nós, nos vemos impotentes.

Se não é você, com certeza tem algum amigo que te relata a mais absoluta frustração com seu momento atual. Canalizada no trabalho, nos filhos ou no relacionamento mais próximo [de qualquer natureza], paira no ar, na voz cansada, nas palavras desanimadas, a mais sincera frustração.

Falta tempo, sobram reclamações, a nostalgia bate forte e, sem viver os dias presentes, seguimos ou com saudade do que não vamos mudar, ou apegados a um cotidiano doentio só porque é “desse jeito que o futuro que eu imaginei, vai acontecer”.

Pra quê, mesmo?

Essa impotência tem pouca relação de culpa com o que está ao nosso redor. É com a gente. É com o tipo de notícia que consumimos. É a toxicidade das pessoas relativamente próximas. É com o que nos alimentamos, no sentido físico e emocional. Com aquilo que colocamos e tiramos deste entorno.

Seguimos conselhos dos nossos pais, dos nossos amigos, ou para simplesmente não “fugir da manada”, vamos fazendo o que todo mundo faz, como todo mundo fez. Sem pensar. Sem sentir. Só a reclamar, e manter gordamente alimentado o circulo vicioso do consumo e das redes [anti]sociais.

Nos sentimos impotentes porque nos afastamos do que realmente nos faz bem. Assumimos responsabilidades incompatíveis com o que faz o nosso coração vibrar, e assim, vamos nos colocando em 2º plano em nossas próprias vidas, tornando-nos um personagem nela, e não um protagonista.

Vença o sentimento de impotência sendo protagonista

Retome o protagonismo da sua vida adotando os seguintes passos:

  1. Se enxergue. Olhe-se no espelho, meça bem quem você tá visualizando ali. Essa pessoa tá fazendo pelo menos uma coisa na vida, todos os dias, que goste? Quais momentos estão sendo pra você, e quais você está apenas deixando o tempo passar?
  2. Liste suas prioridades. Depois, fique só com as 5 primeiras. As primeiras que vieram a cabeça são as que mais pegam agora. Resolva-as agora. Depois lide com as outras.
  3. Fracione os grandes planos em partes menores. Uma parte por vez, logo vira um todo completo.
  4. Peça ajuda. Reclame junto com outros amigos, separe um dinheiro para terapia, ou apenas encontre-se em sua religiosidade ou outro tipo de vício positivo… mas tenha algum momento do dia / semana onde você fique despido do seu cotidiano. Para renovar sua energia e sua vontade de viver.

Impotência não é questão de cura, é questão de escolha

O sentimento de impotência costuma ser ônus da quantidade de responsabilidades que assumimos. Logo, são escolhas. Naturais ou impostas, não importa: são escolhas. Como sentimento que é, precisa ser [des] alimentado. Para fazer com que o resto seja apenas o resto, redirecione e ressignifique o sentimento de potência para tudo aquilo que te faz bem. E viva uma vida maior que essa que a maioria anda levando.

Imagem da capa: http://theartofanimation.tumblr.com/post/173316086362/john-sommo

||| ♫  ||| “See her heavy makeup and cut t-shirt / Every girl out wants to be her / But they look the same already why adjust / Reading the magazine secrets…” Rock & Roll, Eric Hutchinson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *