[1] Rabiscos de ver

Tem um site de vídeos – esse aqui – que completou em fevereiro 10 anos de vida. Pouco ou muito tempo?

Diria que muito quando penso que entrei na faculdade e ele ainda não existia; pouco se colocamos na perspectiva de uma vida, e especialmente se enumerarmos a quantidade de mudanças que a sua existência promoveu no protagonismo da tela de tv em nossas casas.

O YouTube é um dos grandes marcos acerca de como consumimos conteúdos digitalmente (e quase que de graça).

Antes, era “coisa de nerd” pesquisar uma música um vídeo, ou um filme, ter o programa certo (PitateBay, BitTorrent, iMesh, Kazaa, Napster) para baixá-los e aproveitar; passou para pesquisa, entrar no site certo, não pegar vírus, baixar, e curtir.

Hoje, em poucos cliques, o serviço está na ponta dos dedos [basta pesquisar e dar o play]: Netflix (o segundo marco), PopCorn Time, Rdio, Deezer, Grooveshark, Spotify, TVGlobo.com e GlobosatPlay, além do próprio YouTube, dentre inúmeros, nos colocaram diante de milhões de opções de filmes, musicas, séries, documentários, e da vida alheia também [como os videologs, que começaram como “meu querido diário” diante de uma câmera e agora podem ser chamados de “programas de tv”].

Fico imaginando a alegria de quem dependia de locadora ou de parentes de outras cidades para ter acesso a determinados conteúdos, de como tem organizado a sua “vida de entretenimento” agora… e como ficaria um adolescente que tem acesso a tudo isso, enfiado numa cidade sem bom sinal de celular e com internet discada :D.

[2] Rabiscos de refletir

O Filosofo Flavio Gikovate manda muito bem quando trata do tema “mudanças”. Esses vídeos que ele fez sobre o seu ultimo lançamento são super educativos:

[3] Rabiscos internos

Quanto mais eu ralo no dia-a-dia, mais eu tenho ficado desapegado de um monte de conquistas materiais que “todo mundo tem que buscar”.

Deveria ser o contrário, uma vez que boa parte da ralação é justamente para adquirir algumas destas materialidades.

Por hora, não é um grande conflito. Mas até aqui, tem me ajudado a dimensionar como as coisas e pessoas realmente importam nesta etapa da vida. O resto tem ficado bem só o resto, desta maneira…

[♫] “Você me entorpeceu  / e desapareceu

vou ficando sem ar

O mundo me esqueceu / meu sol escureceu

vou ficando sem ar

esperando você” Sem Radar, LS Jack.

One thought on “Rabiscos

  1. Oi, Tony!
    Medo do Flávio Gikovate… Como é a cultura do medo? Cada um faz para vender o seu peixe da melhor forma possível. O psicólogo tem que se fazer necessário. Até os auto suficientes fogem da normalidade, afinal… família para quem precisa…
    Lembro quando surgiu o youtube e como era pesado – um vídeo demorava muito tempo para carregar – mas muito menos que os programas para ouvir ou baixar música. Quando viajo, percebo que o Brasil não é igual para todos com relação a conexão. Como estou nessa vibe, estou tentando deixar o “luz” mas fácil de carregar…. tá difícil… Melhor seria se a internet fosse mesmo para todos!
    Beijus,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *