A primeira parte desta série você lê aqui.

Já li, ouvi e assisti [sem fazer parte ou ser objeto de discussão] de conflitos tão complicados quanto os do oriente médio a respeito da falta de tato que existe entre as presenças e ausências de um relacionamento. Cada pessoa tem uma necessidade física, que vai de chiclete em calçado [ia colocar carrapato em cachorro, mas não soa bem, né?] até primo da tia avó da irmã da amiga da amiga da sua mãe que ela não vê há 20 anos, condições que geralmente não se compatibilizam em um casal. Cada um gosta de um tanto de proximidade e um parece que nasceu para mudar o outro quanto a esta situação. Confesso não saber qual é o prazer em querer sua companhia à imagem e semelhança de sua foreveralonisse [ou carência, pra quem não acompanha esses termos novos], mas carrego comigo uma diferencinha básica que [acredito aqui com os botões do teclado] faz toda a diferença em qualquer relacionamento. Porque estar presente, quando o mais importante é ser presente?

Se você nunca reparou, prestenção. Bons relacionamentos são feitos por pessoas presentes. Os melhores constituem-se de quem sabe manter a presença. Presença de quem dedica [ao menos] 5 minutos do seu dia para saber [saber, cara pálida! E não apenas perguntar pq uma das partes pergunta ou perguntou algum dia] e discorrer sobre como se está e como foi o dia da companhia. Presença de quem presta atenção no mais bobo dos detalhes. Presença de quem está bem resolvido consigo a ponto de buscar alguém não para ser a solução dos seus problemas [quais, mesmo?], mas para completar a sua vida. Presença de quem, ao ter curiosidade sobre o que e como você vive, sempre procura um meio de lhe ajudar e/ou fazer com que ela seja um pouco melhor, nem que para isso basta apenas que você seja presente, esteja lá, de corpo inteiro, em cada vez que vocês forem se encontrar. Presença de quem se importa, de verdade, em compartilhar momentos singulares, dos mais simples aos longamente planejados, desde comer uma bobagem juntos até escapar de um dia agitado para dar um beijo em quem se quer bem. Presença de quem se ocupa com a própria vida e se preocupa em estar na vida de alguém para fazê-la melhor, ao seu jeito.

Pois de nada adianta ter um corpo ao lado do seu quando ele não se dedica a ser muito mais do que isso. De nada adianta trazer um presente, físico, em cada encontro, quando a simplicidade de olhar nos olhos e ter coragem de dizer a sua versão de qualquer verdade não existe. Não adianta estar com alguém que exige a sua presença apenas para contemplar aquela foreveralonisse que já citei acima, ocupando-se de colocar você no alvo da vez como responsável por uma vida menos solitária. Não adianta deixar-se levar pela efemeridade que a internet difundiu na cultura de algumas gerações, onde você não fala mais de um ano com 10 pessoas que até outrora eram os amores de sua vida, e acha isso a coisa mais bonita do mundo.

Por isso rapaz, mocinha, uareva, use seus minutinhos para ser uma pessoa de presença, mais que uma pessoa presente. Quantas pessoas presentes passam e não ficam nas nossas vidas? Muitas, e faz parte do viver. Quantas te fazem lembrar até hoje de algum momento singular, graças a mais boba das bobagens? Eu sei, você também contou nos dedos de uma só mão por aí. Gente de presença, marca. Gente presente, passe / é passada pra frente. [O que não falta é data comemorativa para fazer isso.] Gente de presença não precisamos manter por perto: ela simplesmente se faz presente. Gente simplesmente presente você substitui, como roupa no armário, como numero de followers, como lista de contatos, como peguetes da balada, como bolas da vez na [in]conveniência de suas [in]certezas.

E você, vive pra ser qual tipo de pessoa? Qual tipo delas quer na sua vida?

[♫] “and what you give me let´s me know that i´ll be alright…” – Until the end of time, Justin Timberlake.

12 thoughts on “Praticas teóricas de relacionamento | 2 – presente VS. presença

  1. Também acho que não é a presença física que faz a pessoa ser presente. É muito mais a atenção que se dedica, o fazer a pessoa sentir que você é importante para ela e que a sua tristeza pode afetá-la. A gente sabe também que palavras vazias não dizem nada e que os gestos dizem mais. Que quando éramos crianças o mundo era cheio de gente (primos, tios, avós, pais, etc.) e conforme o tempo passa (as pessoas morrem, casam, somem no mundo…), o mundo se esvazia das pessoas próximas, sobrando os amigos – estes podemos levar para a vida toda. Mas também não podemos confiar se estes amigos viverão eternamente e precisamos nos acostumar com a nossa presença. Beijus,

    1. Um conjunto de gesto, atitudes, lembranças, posturas. Só isso basta. Mas antes, que saibamos bastar a nós mesmos, para ter efetivamente o que oferecer aos outros.

      =)

  2. ai que texto delícia, Tony! concordo e assino embaixo. eu só sou presente com quem é a mesma coisa pra mim. mas, ser presença é o que de melhor há. e ter gente assim por perto, então, nem se fala.

    obs.: a-do-rei teu comentário no meu último post. sério, obrigada pelas lindas palavras. como sempre. (:

    beijos! *:

  3. Engraçado como alguém escreveu algo parecido para alguém, pouco tempo atrás. =)

    Ser presente é o que vale, e é o que sempre valeu. E ser presente é muito mais do que estar ao lado, e ver, ou ouvir. É conhecer. É ser íntimo. É viver junto, mesmo que não se esteja ali, do ladinho.

    <3

  4. A frase do Biau no BBB7, “presença na ausência” faz sucesso até hoje.É que o sonho de toda pessoa é ter alguém presente , companheiro, amigo, conselheiro, ouvinte.É somente sonho porque não existe.O ser humano só defende o seu.O pronome é sempre EU.Para ser presente e ter alguém presente é preciso, também, ser altruista. Hoje os psicólogos substituemn esta necessidade. Mesmo assim ouvem no tempo pago e nada mais.

  5. Tony!

    Eu andei, alguns anos, na expectativa de saber de mim mesma, as pessoas que eram ou nao presentes na minha vida. E venho notando que mutias vezes há desencontros. E, o ser humano precisa ser muito gente para sacar e admitir quem é presente na vida dele e se ele é prensente.

    na ausência de presenca na minha vida, decidi dar valor a quem valor a mim dar…
    Muitas vezes, as pessoas ao nosso redor, nao dao o que nós almejávamos, mas, a gente sabe que, aconteca o que acontecer, ela estará ao nosso lado..Sem concorrencia, sem brigas, sem joguiinhos. Elas simplesmente, ESTAO..ESTARAO..
    DIAS FELIZES

    1. é um excelente exercicio de auto-conhecimento, super válido para quem realmente caminha na vida, não quer ser carregado e/ou está esperando ela passar :). Como num post mais recente seu, as pessoas esperam o que não são capazes de dar. Por isso tanto sofrimento inutil e gratuito…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *