Em boa parte do tempo livre que achei neste ano, aproveitei para exercitar a mente através dos olhos, outra das minhas grandes paixões. A força do hábito [com uma ajuda da graduação e do espírito curioso] faz com que sempre preste um pouco mais de atenção naquilo que enchem meus olhos, de animações a fotos, de rostos a paisagens. Compartilho abaixo algumas destas coisas. Tire alguns minutos e olha comigo :)…

Um curta: Hezarfen

Um comercial: Amnesty International 50 years.

 

Um infovídeo: Digital Life – today and tomorrow

 

Outro curta: splitscreen: a love history

Um clipe: [the films of] Pixar Animation Studios

Uma campanha: Fiat Freemont

Outro infovídeo: Freeband – The Ambient Life

 

Não postei filmes porque vi poucos lançamentos neste ano, vi muito do que estava acumulando no pc. Mas recomendo fortemente o Super 8.

E voce, o que viu de bom neste ano? Compartilha ai, e faz o resto ser o resto também :)…

 

[♫] “o que é um beijo se eu posso ter o teu olhar?” – malemolência, Céu.

6 thoughts on “Para encher os olhos #01.

  1. Nossa, por um instante eu pensei que oprimeiro vídeo era do Hércules, hahahaha. Não sei por que.
    Ahh, Pixar <3 Nossa, e que gráfico lindo desse último vídeo, hein? Babei aqui. Ai, queria tanto fazer isso *-*

    Nossa, me disseram isso quando me mandaram o vídeo. Mas ai, quem dera *-* Brigada!
    A Taylor ao vivo não é tão boa mesmo :/
    Ah, gente. Aerosmith é perfeito. Já viu ela cantando Guns N' Roses e Somebody To Love de Queen? Muito lindas! :D
    Beeijos, Tony <3

  2. Menino eu adoro esses curtas, animações… Fico vidrada nessas coisas, imaginando todo o processo criativo do roteirista, dos animadores. Engraçado como algumas pessoas não param para apreciar essas coisas que de simples não tem nada!

  3. Vi todos os vídeos, e nem preciso dizer que fiquei boba ao assistir “The ambient life” e “Digital life – today and tomorrow” e lembrar da nossa conversa de ontem… hehe
    E também recomendo muito para que todos assistam Super 8!

    =)

    Mondebeijos!

  4. O bokeh é bem clichê, sim. Mas haverá sempre um diferencial; uma surpresa, e o melhor: Com o mesmo efeito. Por mais que seja a técnica mais simples da fotografia, haverá sempre a subjetividade pra encantar :D
    Postei de novo lá, Tony.
    Beeijo <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *