Se não tivesse caído de prima no mundo da publicidade, certamente teria dirigido meus esforços para trabalhar com e evoluir apenas em design de marcas [e até hoje é uma alternativa que sempre considero, em especial depois da pós em gestão de marcas].

Sentar, estudar, pesquisar, rabiscar e mousear até chegar a uma imagem, ícone, signo, símbolo e/ou logotipia que transmitam de um jeito correto e completo a identidade de uma empresa a ponto de conseguir criar a imagem mais próxima possível do que imaginamos ser a ideal para os clientes dos nossos clientes é muito, muito divertido. Estender o significado dessa marca para um sistema de identidade, ou traduzi-la em um pacote de personificação para a comunicação, é ainda mais legal.

A convivência diária da maioria de nós com elas cria uma paixão ora direta, ora inconsciente. Carregamos conosco assim como as lembranças de nossa vida. Ao menos uma história dela tem envolvimento com alguma marca, ou com algum lugar que te marca, que tem alguma imagem ou símbolo que automaticamente irá lhe remeter a uma boa sensação. A minha é bem básica: a 1ª palavra que li, aos 3 anos, foi coca-cola, impressa num anuncio de revista.

Algumas conseguem nascer já com um conjunto implícito de valores para posterior personificação [Oi, Vivo, Claro], outras se tornam o que são graças ao que vem a representar, seja em produtos [Apple] ou serviços [Amazon, Casas Bahia]. Mas com todas dá pra trabalhar e fazer com que não sejam apenas traços bem layoutados: signifiquem e, como as pessoas, cumpram um papel relevante na sociedade enquanto efetivamente fizerem sentido. Às vezes, até mesmo depois de não existirem, ainda ecoam na mente do público [e nesse caso aqui, de um jeito espetacular].

Às vezes, até dá merda caquinha mexer em algumas delas.

Em outras, a evolução gráfica lhes permite a contemporaneidade necessária para a sobrevivência. O fato é que são apaixonantes, e que uma vida sem paixões é um teco mais sem graça. Você pode escolher não ser um outdoor massificado, ou escolher ser as marcas que usa. Mas não escapará de comprar um produto mais caro ante outro com a mesma qualidade, só por causa de uma chancela de confiança.

Como não deixará de achar que o resto é só o resto :)… as que foram criadas por mim são as que têm asterisco =). Mais sobre marcas:

[♫] “If you hear any noise / it’s just me and the boys / hit me (groovin’!)” – Mothership Connection ~ Star Child, Parliament.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *