Comecei o ano falando de coragem, e termino falando de gratidão. Fiz o que precisava fazer para adquirir aquela coragem a mais e vez ou outra [mas não todas as necessárias] dei um passo a frente e “hoje não, hoje é do jeito de dois, não do seu”, o ano profissional caminhou de lado muito mais porque a economia quis do que por falta de empenho, e a vida continua melhorando. Gigante como foi pelos feriados espaçados / quase nulos, férias curtas, uma copa e uma eleição fracionando o ano, tornando-o mentalmente mais comprido… mesmo com tudo isso, 2014 é um ano para agradecer.

nozes4anosAgradecer pela oportunidade de ter reorganizado uma etapa da vida, e começar a construir um lar com a Carol. Planejamos algo que não deu certo, mas o plano B mostrou-se muito mais interessante do que o horizonte foi nos mostrando ao passar, fazendo valer a máxima antiquíssima de que Deus escreve certo por linhas tortas. E nestas linhas continuo com o desejo de construir os melhores versos, por toda uma vida, com ela. Sempre fazendo a minha parte. Daqui um ano tem a tão sonhada festa de casamento :)… e que, assim como a ansiedade, nosso amor permaneça crescendo. Agradeço por todo o aprendizado no dividir de dias antes e neste durante de [con]viver, as coisas ruins e as boas. Agradeço por continuar vendo sentido neste “tudo isso”.

Agradeço por mais um ano profissional desgastante, mesmo desiludido de alguns relacionamentos profissionais. O volume de trabalho foi um dos maiores, senão o maior destes três anos mais empenhado em projetos do emprego e da vida profissional fora dele, mas renderam um pacote de projetos dos quais vou me orgulhar por algum tempo. Conquistei meu primeiro contrato com remuneração fixa fora da agencia, que se tudo correr como planejado, dará a base para um futuro mais independente.

Comecei a sentir nestes projetos realizados um pouco do que deve ser o tal do ponto da virada, onde atravessamos as 10 mil horas de execução das mesmas coisas e começamos a enxergar de formas diferentes, e caminhos diferentes para chegar aos mesmos resultados. Que esta “excelência” me leve onde estou imaginando ser um bom lugar :)…

Bom lugar, como é aquele que construímos com as nossas memórias. Com a 10ª volta na corrida blogueira, abrem-se os aniversários de várias coisas importantes completando / atravessando uma década. Amizades de escola. Entrada na faculdade. Certeza da escolha profissional. Primeiras coisas que pude comprar com o meu dinheiro. Planos concretizados na medida exata de tempo sugerida… o pensamento mais simples que vem é o naturalíssimo “é, tou ficando velho”. Mas não me domina, porque simplesmente não ligo para a idade que tenho e que vou acumulando com o tempo. Acabo dando mais valor para a maturidade, pro resultado que esse tempo oferece para o cotidiano. Hoje algumas coisas completam 10, amanha 20 anos [em 2015, serão 20 anos residindo em Curitiba, p.ex.], depois mais e mais… e a gente vai sendo preenchido em algumas coisas, esvaziado noutras, e completo em pouquíssimas.  Afinal, é assim que as coisas sempre funcionam, tal qual futebol, eleições, e todo o mais.

Cantei a bola e acertei: Dilma se reelegeria, o preconceito comeria solto [e como me incomodou ver que em 4 anos a coisa foi ficando feia assim…], e a copa ficaria tipo bem feita. Não fiz e mantenho o parco comentário sobre o desempenho em campo por um motivo muito simples: poderia acontecer, e aconteceu. Nada além disso. Futebol (de seleção) entra numa extensa lista de coisas com as quais fui me desapegando e simplificando. Outro motivo de gratidão.

vinheta

Pois o mais comum é nos tornamos a soma de nossas experiências e vitima de nosso passado. Fiquei com a primeira parte e me desapeguei da segunda, ao continuar fazendo deste passado um pacote de lições para evoluir sempre. Nesta soma das experiências, o melhor modelo de vida que encontrei tem muito a ver com simplicidade [ter o essencial e construir autonomia para ter o melhor do ideal e tudo do possível] e desapego [cortar da vida todas as coisas e pessoas que não agregam nada, usando este tempo para permanecer simples]. Agradeço a vida por me permitir este tipo de escolhas, com todas as adversidades cotidianas, pequenos malabarismos e grandes enfrentamentos a fazer em prol de um sentido de vida minimamente sensato. Agradeço a vida por mais uma vez permitir que todo o resto seja o resto. E 2015, vem que vem, pois tem tudo pra ser muito legal :)

[♫] “Don’t you know that?

That patience is a virtue, yes it is?

And life is a waiting game; don’t you know that?

Peace must be nurtured.

And all the money in the world can buy you nothing (let me tell you that).

All these things happen,

all these things happen for a reason.

So don’t you go and throw it all away, you’ll get yours, when the seasons change.” /  Seasons change, Corinne B. Rae

One thought on “Obrigado, 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *