É esse o apelido que ganhei da primeira dama e da minha mãe.

Por que faz algum tempo que eu só levo mordida de brincadeira, da cachorrada.

Por que na cidade pra onde sempre viajo com a digníssima, fiz um pastor alemão quase do meu tamanho pular e correr frenteticamente para mim, depois de ficar latir ao nos ver.

Porque sempre na maioria das vezes em que eu chamo um cachorro, qualquer cachorro, ele atende e vem brincar.

E porque possivelmente eu seja um dos poucos que já passou a mão na boa, nos cachorros da vizinhança [e aqui na rua de casa só umas três não tem…]. Confira aí quem aceitou posar para o manolinho que lhes escreve:

2008, em morretes, litoral do paraná. Fui passear e eles me acompanharam quase até o final do trajeto.
2009. Um manolinho que ficou esperando junto comigo o ônibus, num dia de trabalho.
esses atravessaram a rua comigo, no centro, em 2010.
2011. Mais um que esperou pra pegar busum comigo. A cara de véi, na boa, vc tem que ir agora? é impagável ;)
Essa é a Shakira. Apareceu por aqui bem no final do ano passado, e ficou com a vizinha que mora atrás de casa. Na primeira vez que mexi com ela, chegou a mijar de tanta alegria. É a cadela IRARIARIARIARIA em persona, pois fica alucinadíssima cada vez que vou brincar com ela.
Essa apareceu em maio, circulou pela rua alguns dias, depois sumiu.
Já essa até ganhou nome: mika. Apareceu e circulou por um tempo, depois sumiu.
o primeiro da dupla dinâmica que adotamos aqui em casa. Barba, arteiro que só. Apareceram há 2 semanas, chamei uma vez só, vieram, pararam no portão de casa, e ficaram. Nos adotaram também :)
o par dele é essa mocinha aqui, mó esperta, mó queridinha.
esse é o felizberto. Vizinho de longa data das ruas próximas de casa, está de plantão na frente de casa nos últimos dias, graças ao cio da pequenina acima. Ele tem essa cara de “oh céus, oh vida, oh azar”, mas quando saio para o trabalho e quando volto, tem me recepcionado com um abraço, abanando o cotoco (sim, qdo fica de pé quase alcança nos meus ombros).
e o thor, que tenho desde 2002, a incrível mistura de rotweiller com basset. Amante de panos. Começando a ficar velhinho…

Vai me dizer que não tem como o resto ser só o resto? :P

[♫] “… for once, I can say, this is mine, you can’t take it / as long as I know I have love, I can make it…” – A For once in my life, que é do incomparavel Sinatra, mas na voz do Stevie Wonder ficou genial :)

2 thoughts on “O encantador de cães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *