Somos bichinhos condicionáveis. E ficar mudando a rotina parece daquelas dores irremediáveis.

Mas, construi-la com autonomia total de escolhas quanto ao tempo é bacana, beem bacana :)… atualizado o compromisso de estar sempre em contato com a minha mãe [que segue internada no hospital], os dias giram em torno do que escolho.

É incrível poder falar de “cada escolha uma renúncia” com plena consciência de como se coloca no papel [no caso, muito menos papel e quase tudo no Google Keep, meu organizador predileto] aquilo que se tem [e quer] pra fazer. As obrigações e compromissos “não escolhiveis” existem, mas percebê-los com uma leitura de “isso é só hoje / é 1x por semana / não é a minha vida” me deixa mais leve. E absolutamente mais feliz.

mudando a rotina para prosperar - fonte geracao de valor ponto com

 

E leve, está longe de significar perfeito. Tem dias em que a mente vai longe, escolhe preocupação ou se abraça em dilemas insolúveis [saúde da minha mãe, restrições financeiras com a indepêndencia de trabalho, etc] e ao invés de brigar, fico fazendo o que há pra fazer até que ela desligue. Este post ainda é fruto da cabeça [e corpo] que está há 80 horas ativa, com apenas 6h de descanso, hehe…

 

Por isso, uma consciência mais apurada de que é possível descomplicar a vida, e com o compromisso direto [porém inconsciente] de estar sempre fazendo algo que te deixe em paz, é possível ter em todo o mesmo, um mesmo diferente.

Mudando a rotina: exemplos para chamar a rotina de vida, e não o oposto:

  • Faça a escolha sincera de tentar. Coloque na sua cabeça e no seu coração que é possível fazer, organizar e planejar o que você quiser. Isto posto, meio caminho andado para começar.
  • Pesquise [e faça] caminhos alternativos para seu trabalho;
  • Se tiver liberdade [termo esquisito nesse contexto, não?] ou flexibilidade para conversar com seu superior, tire um dia de home office.
  • Se você é o superior, reavalie se você [a] ou não está colocando a empresa nas costas de alguém e resolvendo coisas sem relevância para sua prosperidade, ou se não está com compromissos e responsabilidades que podem ser compartilhadas e tornar o aprendizado de todos maior, colocando todos no mesmo “rumo de sucesso”.
  • Mesmo que tenha compromissos com a família [a constituida ou a de origem], tire ao menos um dos dias para fazer algo diferente: conhecer outro lugar da cidade, dar prioridade para um gosto / desejo seu, ou para fazer alguém próximo mais feliz;
  • Sempre que possível, gire seus dias: troque atividades de um dia para o outro, pense se de fato elas precisam levar todo o tempo que levam. Muitas vezes, apenas o condicionamento é o problema de dias muito cheios, estafantes e/ou potencialmente depressivos.
  • Um dia, a cada 15 dias [no mínimo], para não fazer nada. O pijama mais confortável, o passatempo predileto dentro de casa, telefone de canto ou no silencioso, e só pensar no mais do mesmo no dia seguinte.

 

 

Escolher, tentar, fazer algo diferente, encher o coração de vontade, e a cabeça com coisas que te deixem leve, feliz. Mudando a rotina, você fica mais perto de ser, de fato, o protagonista e autor da sua propria história. E faz o resto só o resto :)

[♫] “Só dar um sinal de vista

O verso se modifica

É de uma natureza que o universo não explica

Conversa de amor, sempre pulei dessas fita

Tipo “Sai, Deus é mais, vai morrer pra lá, zica””, Aurora Boreal, Rael.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *