Outro tema constante deste blog é estudo. Se eu não postava porque estava estudando, escrevia posts sobre o quanto estudava, e que ia parar de estudar um pouco. E, como quem praticou esporte quase com a mesma intensidade no mesmo período de tempo, às vezes bate uma saudade de fazer determinada coisa, mesmo com o musculo respondendo naturalmente a determinado esforço.

Com estudo a conversa é diferente. Leio com a mesma voracidade dos tempos de menos internet e mais ônibus, e 1 livro por semana das idas e vindas da graduação, nas visitas quinzenais e passeios de bicicleta com 40km de distancia só pra ir numa biblioteca especifica. Não é como estudar “formalmente”, onde você concentra esforços em um conteúdo, ficha e segue [ou aplica, seja numa prova, seja num projeto]. Nem é aquela saudade boba e infantil de “ainnn queria viver aquela vida novamente”: uma lembrança gostosa de um tempo onde me ocupava com o estudo e queria ver todo aquele plantio sendo colhido positivamente.

Sou daqueles poucos malucos que gosta, de verdade, de estudar. Foi o melhor jeito de encontrar equilíbrio num tempo onde nem se tinha maturidade direito, e quando a vida era ainda menos fácil, foi o jeito de escolher com que ela fosse melhor dali em diante.

O que, felizmente, estou fazendo agora com a minha carreira e com o meu cotidiano [ainda que enfrentando os desafios comuns]. Sigo com o interesse em alta nos estudos, mas comprometido com uma série de pequenas coisas, que deixam esta, que considero muito grande, menor, em todos os sentidos. Reduzo-me então a pequenos ensaios, vídeos e palestras, para deixar a cabeça em dia com o que escolhi profissionalmente, e procuro diariamente novos aprendizados para o “resto da vida”, deixando assim que os temores que nascem do cansaço e da solidão não dominem minha vida.  Tem um plano C guardado, onde muito do tempo de vida seria investido novamente no “estudo pelo estudo”. Mas enquanto a vida pede a resolução do plano AB, vamos que vamos, estudando o quanto dá, e deixando o resto ser apenas o resto.

[] sem música!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *