Que bom encontrar você. Maior, melhor, mais viva. O sorriso continua impecável. Espero que a alegria também. E as manias? Mudou as piores, ou piorou as melhores? É, relativo mesmo…

Eu? Ah, sim! Aprendi que o vazio do porta retrato em formato de smartphone é maior do que o vazio aqui dentro. Eu não era preenchido, era completo. Se num desencontro a gente se completa, por que não poderia me reencontrar depois de não estar mais com você?

Me reencontrei e aceitei, que amor é bom, amar é melhor ainda, mas tem que ser assim, com jeito de domingo cedo como 13h, de sorvete do sabor predileto em dia de calor, de prazer sem formato de compromisso, de paixão com cara de cotidiano. Com a gente? Ah, foi o que tinha que ser, oras.

Nos reencontramos um no outro inúmeras vezes, e todo aquele tempo foi o nosso infinito duradouro como era de ser. Te amei completamente, não tenho vergonha alguma de dizer. Sorria só de pensar em ti.

Em cada detalhe seu enxergava não apenas a menina mulher que era a companhia possivel, ideal, e uma versão muito mais real do que se imaginava sem amor no coração pra valer. Achei forças muitas vezes só na ideia da sua presença nos meus dias.

Levava sua voz não como uma canção de puro romance, mas como uma guia de alegria certeira em qualquer hora do dia. Me perdia no olhar grandão e no sorriso abobado como quem brinca com o presente novo de natal. E não enxergava o futuro tão distante quanto ele era; era tão somente um dia logo ali, onde estenderíamos aquela realidade cotidiana. Importa o porque que não deu certo?

Não pra mim! Vivemos de um tudo juntos, erramos outro tanto individualmente, e no fim das contas, o saldo não nos permitiu enxergar algo mais. Aquele algo mais que a gente sempre tem em quem nos faz bem. Aquele algo mais que constrói novos encontros. Aquele algo a mais que não quebra as pontes que precisamos atravessar.

Tenho certeza que você também tem o seu encontro. Aquele que faz a gente ser um pouco mais. Que nos mantem maiores, melhores, mais vivos. Com sorriso e alegria impecáveis.

Com o nosso jeito único de ser. Com a construção daquele amor que a gente sabe ter. Com a reconstrução de um relacionamento que, como uma boa dança em par, a gente merece viver. Eu segui, e espero que você também esteja seguindo, sua linda :)

E SE TEM SIMBOLO ACIMA, VEM DE MÚSICA.

[] “Mesmo que algo melhor te espere do lado de lá

Quando você partir não quebre as pontes que atravessar

Mesmo que a vida se transforme numa dança sem par

Fique na pista não desista deixe essa canção te levar” / Siga em Paz, Vander Lee. 

2 thoughts on “((♫)) siga por aí.

  1. Oi, Tony!
    Você pode viver a vida toda ao lado de uma pessoa e fechar muitos ciclos, pois se a vida se repete, o amor também pode ser reinventado. Basta não querer deixar o amor morrer!
    Beijus,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *