Eu lembro da gente brincando sem compromisso. sem intenção alguma. Sem ideia alguma.

Lembro das nossas ideias da escola perfeita, com uma aula a menos e um recreio a mais.

Lembro de quando mudamos de endereço, cada um para um lado da cidade. Sorte nossa a internet ter ficado acessivel, né? até hoje não me conformo com os seus recordes no joguinho das pedras preciosas, que eu achei dia desses pro navegador e fiquei jogando. A gente já sabia o que queria, né? Eu já escrevia imitando os jornalistas, você já desenhava as cadeiras do mesmo jeito que pensava como seriam seus apartamentos.

 

Passamos nos primeiros lugares da faculdade, e nos últimos lugares dos ônibus começamos a nos reencontrar diariamente, faculdades vizinhas, prédios de trabalho na mesma quadra. Planejamos juntos quais carros iriamos comprar em vários almoços. Alguns de muitos planos e até as coisas não planejadas, nós conversamos como se permanecêssemos o dia inteiro juntos. Até um dia nos vermos pensando se a nossa casa teria duas ou três vagas de garagem. Mas antes, toda a base de uma vida para buscar. Buscamos.

Nos formamos, e no meio tempo construímos também as bases do sucesso das nossas vidas e das nossas histórias. Concordamos juntos em antes de ter uma casa só, ficar dois anos em outras cidades nos especializando para tranquilizar nosso futuro.

Você estava tranquila quando foi me levar no aeroporto, levei todas as minhas coisas.

Eu não estava tranquilo quando voltei para te levar ao aeroporto, meu coração não conseguia me acompanhar. E infelizmente, intuições nunca falham. Nosso ultimo beijo foi repleto de amor, com toda aquela explosão de paixão já internalizada desde aquele tempo em que a gente não tinha compromisso algum.

Minha vida nunca vai ser a mesma depois do seu avião explodir do nada, assim que levantou voo. Eu ainda tenho uma vida para viver. Mas minha paixão, como toda boa criança quando brinca, não tem mais intenção alguma. Não tem mais compromisso algum. Pois desde que você foi embora, nada se encaixa mais, né…

E se o título começa com aquele símbolo, no final tem música, que é a inspiração direta do texto.

[♫] “… cause in my dreams we can spend a little time together… in my dreams, u can live a little longer…” – In my Dreams, James Morrison.

3 thoughts on “((♫)) nosso primeiro capítulo.

  1. Oi? Comecei lendo achando que era a “sua” história de amor, afinal, ontem foi dia dos namorados. Meu coração explodiu de susto e estou como a Juliana – Com dúvida se essa história é real ou não :(

  2. Oi Ju e Luma! É a Carol aqui! Vivinha da silva! hehe Vocês não foram as únicas que leram o texto com o coração mais acelerado, um nó na garganta e um frio na barriga, eu também li! É porque o Tony escreve de um jeito que faz com que a gente “entre” no texto e vivencie cada palavra que aparece nessa página! Palavras felizes ou tristes, histórias verdadeiras, ou inspiradas por músicas…
    Esse guri faz a gente se sentir de uma maneira que a gente não consegue explicar direito!

    Alguma dúvida de como ele conquistou o coração dessa Carol aqui? :)

    PS: Amor, que texto triste… Mas mais ou menos na mesma pegada que esse daqui: http://carolemcuritiba.wordpress.com/2011/07/24/quarto-202/ Ele só não foi inspirado por música!

    Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *